quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Habemus Presidente

E, numa corrida às urnas nunca antes vista, Obama é eleito o novo presidente dos EUA. E desta vez sem votos desaparecidos (nunca antes conseguido por Bush, eleito, para mim, em circunstâncias suspeitas... Mulder e Scully, onde estavam vocês?).
Já toda a gente escreveu sobre isto, não há nada que eu pudesse aqui dizer que alguém, noutro blogue, já não tenha dito.

Por isso vou apenas dizer que se devem tirar 2 conclusões.

Em primeiro lugar, foi a primeira vez que tanta gente discriminou racialmente um candidato e ninguém se opôs. Obama foi discriminado positivamente por ser africano (não vou dizer preto ou negro porque pode soar ofensivo). Se ele fosse branco, provavelmente ganhava McCain, porque sempre foi uma personalidade querida dos americanos: foi herói de guerra na guerra do Vietnam, onde desempenhava funções de piloto, até ser capturado e torturado pelos vietnamitas. Já mais velho e experiente na política, McCain teria ganho se fosse americano-africano. Como caucasiano não foi a lado nenhum. Note-se que eu votaria em Obama e que fico contente com a sua vitória. Mas acho que a campanha eleitoral pelos apoiantes de Obama nunca deveria ter feito da sua cor um motivo para o voto.

Em segundo lugar, acho que todos devíamos tirar uma lição destas eleições americanas. É bem verdade que daquele lado só se vêm exemplos do exagero, do ridículo e do fútil, ultimamente. E nós vamos atrás, porque se vem da América só pode ser bom e moderno. E porque não seguir o exemplo destas eleições? Não sei se repararam na taxa de abstenção. Mínima. Porque lá ainda se importam, ainda querem dar voz à democracia, ainda querem exercer o seu direito/dever de voto e fazer a mudança. Aqui em Portugal, ir às urnas é uma dificuldade imensa. Será que merecemos mesmo a democracia?...

Em 20 de Janeiro de 2009, Obama toma posse e passa a ser o Presidente dos Estados Unidos da América.

26 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

Só não concordo com a utilização da expressão "corrida às urnas". Eu vi na televisão e o pessoal ia tão devagarinho...

Miss Kitty disse...

Pelo menos eles querem mudar as coisas e vão votar. Já nós passamos o tempo com queixas e dp n fazemos nada...

BJS*

Salto-Alto disse...

Rafeiro Perfumado: LOL! Mea culpa,eu é que gravei tudo e depois vi em fast forward... ;p

Miss Kitty: exactamente o que eu queria dizer!!!

DANTE disse...

Eu acho cedo para 'tirarmos daqui uma lição'.
A ver o que isto dá ;D

Jokas salto alto :)

Pedro Barata disse...

É uma verdade, saltinho. Em Portugal, as pessoas falam, falam, mas depois não vão votar, nem que seja para votar em branco... Concordo em absoluto com isso.

Beijinhos

Identifica-te disse...

Em primeiro lugar, não houve discriminação racial porque para os brancos o Obama não era branco e para os negros não era negro, assim, Obama desde o início foi visto como um candidato democrata que por acaso até é mulato e não como um candidato mulato que por acaso é democrata - aliás, foi o que ele quis desde o início. Os analistas políticos americanos dizem, até, que se assim não fosse, se ele fosse visto simplesmente como um candidato negro nunca venceria as eleições - apoiantes de Obama brincam até com a situação de ele não ser visto nem como negro nem como branco dizendo que assim agrada aos "dois lados"... agora, é óbvio que teve a sua influência positiva, mas foi muito pouca... para além de que nenhum dos dois candidatos nasceu na América.

Quanto aos votos, não é bem como dizes, é que com a crise e o Iraque as pessoas quiseram garantir que os Republicanos não continuavam no poder, por isso houve puca gente que não votou ou votou em branco (o que é diferente) - o que já não se verificava desde 1960...

Ou seja, é certo que Obama tem as suas qualidades e ser negro até é capaz de ter influenciado, mas para além disso, e mais importante, era necessário escolher o melhor candidato para combater a crise económica e imobiliária e alguém capaz de lidar com crises internacionais (que pelos vistos, segundo os analistas, estão para surgir) - assim, se de um lado temos Mccain e Palin, ambos fracos para crises internacionais e para combater a crise interna do outro temos Obama, bom para a crise interna, e Biden, bom para a crise internacional. Para não falar do efeito Palin em geral, é que apesar do Biden também ser conhecido por mandar umas gafes, não chega aos calcanhares da Republicana - que chegou a dizer que na América há Estados que não são americanos (os que não votam nos Republicanos)...

Obrigado pela atenção e desculpe pelo tamanho do texto.

Mariana disse...

eu acho incrivel como ha jovens ca em portugal q n vao votar,como é que é possivel,nao tem noçao das coisas,vao mais depressa votar as pessoas idosas e mais velhas do que os jovens

abram os olhos

Salto-Alto disse...

DANTE: exacto, concordo! beijinhos!

Pedro Barata: foi exactamente o que eu quis transmitir! Obrigada! beijocas!

Identifica-te: tal como eu escrevi, "campanha eleitoral pelos apoiantes de Obama nunca deveria ter feito da sua cor um motivo para o voto", Pelos apoiantes, e não pela equipa da campanha eleitoral. Lembre-se, para este caso, a Oprah, por exemplo. E não me venham com tretas, muitos votaram nele porque McCain era branco. E outra coisa: a partir de agora tens que passar a escrever posts em conjunto comigo, porque os teus comentários dão verdadeiros posts (e alguns bem bons!). Falamos disso hoje no café. Até já! ;p

Mariana: precisamente! Acho que votar é apenas encarado como um direito pela maioria das pessoas...

Bombocaa disse...

Huh...eu cá só n votei 1 x desde q posso (e já posso há mt tempo...humpf...) só pq estava ausente do país...

Eu sou a 1ª a votar na mha secção de voto...só pr poder criticar`À vontade...claro :)

ZaniNE disse...

É verdade, temos este preconceito de pensar que o que vem da América é bom e tudo o resto é mau - só porque não é "made in USA".

E de resto concordo ctg. mas chega de USA e Barak. Eles que se entendam.

Beijoquinhas.

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Estou de acordo contigo MAS ele não é somente Africano. Ele é mesmo os dois, Africano e Americano. Tem dos dois e os rotulos (mesmo que positivos) parecem por vezes ter esquecido isso.

Beijo meu ♥,

A Elite

Identifica-te disse...

"campanha eleitoral pelos apoiantes de Obama nunca deveria ter feito da sua cor um motivo para o voto", não fez - os negros não o consideravam como um deles, pois, a família do Obama não sofreu o que eles sofreram com o racismo "americano" - isto apesar de serem seus APOIANTES, o mesmo com os brancos, que também não o consideram um deles... com sto quero dizer que a cor importou, claro, mas não foi o essencial... pois, o Obama, acima de tudo, é visto coo alguém que percebe de economia e que pode tirar os americanos da crise... agora, certamente, que muita gente votou pela cor, mas note-se, os negros americanos são, tipicamente, democratas, já votariam no candidato democrata de qualquer forma... é por isso que acho que, mesmo entre os apoiantes, a raça teve a sua importância, mas não foi decisiva - Nota: alguns votos não foram para o Obama vencer, mas para não vencerem os republicanos, imagina o que era se o Mccain tivesse uma doença grave e a Palin ficasse a comandar o país... achas que estas questões não passaram pela cabeça de muito republicano que estava na dúvida?

maria qualquer coisa disse...

Eu se fosse americana votaria nele tb!

:)

Peregrina disse...

Um beijinho saltinhoo *

Cláudia disse...

Escrevo agora com a certeza absoluta de que Obama já ganhou. E ganhou muitíssimo bem!!

É muito intensa esta sensação de estar a ter o privilégio de viver um momento verdadeiramente histórico a nível mundial. Tudo o que está subjacente a esta vitória em termos ideológicos e de mentalidade (não só do povo americano), é extremamente importante.

E convenhamos que o Sr. Obama é realmente inspirador, uma figura com carisma e que transmite confiança. O que tem também de certeza a sua relevância na conjuntura mundial actual.

Estou mesmo muito satisfeita e ansiosa por ver o que se segue.
Yes We Can!!

Beijinhos. ***

Abobrinha disse...

Salto-Alto

Vamos lá esclarecer uma coisa de uma vez por todas: o Obama é meio branco! Meio preto, mas meio branco! E pronto: também me sinto identificada com ele! Mas não gosto dele!

O McCain não era só esses predicados todos: era também um totó, com uma idade e saúde incompatíveis com o cargo e uma totó como sucessora. Se bem que o Obama vai ser assassinado (resta saber quando), mas ao menos não tem a Palin como vice!

L!NGU@$ disse...

Digam o que disserem, tenho a certeza que a cor do Obama jogou e muito a favor dele. Ele ganhou devido ao grande mediatismo em torno dele. A cor ajudou muito nisso.

Identifica-te, disseste "para além de que nenhum dos dois candidatos nasceu na América.". O Obama nasceu nos EUA.

joshua disse...

Há quem desvalorize. Há quem se comova. Eu desvalorizo quem não se comove.

GATA disse...

Já muito se disse sobre o assunto... eu, como fã dos EUA, apenas digo que se confirma o 'ditado': a América é a terra das oportunidades!!!

Caso não saibas, com a eleição de Barack Obama, os democratas elegeram 4 deputados LUSO-descendentes!!!

As oportunidades existem... só há que lutar por elas!

Alguém disse...

Serei a única já farta deste assunto? :-P OBAMA, pah! Já ganhou. Boa. Prontinho!

Identifica-te disse...

L!NGU@$, estás com sorte, mas por pouco, o Obama nasceu num Estado Americano. Hawai é o 50.º Estado dos Estados Unidos. Aderiu à União de Estados Americanos em 21 de Agosto de 1959, embora seja americano desde 1900. Obama nasceu em Honolulu, no Havai, a 4 de Agosto de 1961... de qualquer forma, o meu lapso agrada à resistência havaiana que se organiza dentro dos vulcões para restaurar a independência perdida... Mas atenção, há quem diga o seguinte "Barack Obama nasceu "em Krypton" e foi "enviado pelo meu pai Jor-El para ... EUA/Eleições..." por isso é uma questão de acreditar... - não inventei isto, é uma citação! - neste caso, a minha frase está completamente correcta e não apenas parcialmente (o Mccain nasceu no canal do Panamá). Agora, se me dás licença vou reclamar com os jornalistas do METRO por me induzirem em erro...

Quanto à questão da cor, não sabes o que dizes. Teve influência, mas não muita - como já expliquei! Mas pronto, cada um tem a sua opinião, a minha tem origem nos analistas políticos americanos e europeus.

L!NGU@$ disse...

Pois esses gajos do Metro... bandidos.

Quanto à questão da cor, lá está, são opiniões. E os analistas políticos, bem os vejo a dizer uma coisa hoje e outro completamente diferente amanhã.

Ninja! disse...

Concordo contigo. Provavelmente deveria existir muito maior rigor e controlo do dever de voto.

Beijo!

Martinha disse...

thank god!

Nogs disse...

Eu, por acaso, fiquei muito feliz com esta vitória. O gajo além de jeitoso pode fazer algo que e aproveita daquilo, não achas?

Beijo

Crest© disse...

Gosto de olhar para Portugal como Republica e não como democracia. A simples definição dessa palavra maçónica, não trás nada de agradável.