sábado, 31 de maio de 2008

Amy vergonha in the House

...e estou muito agradecida! Eu queria, bem que queria ter ido ver o concerto da Amy Winehouse no Rock in Rio... até ver a sua triste actuação... E estou a ser francamente querida com ela ao classificar a sua actuação apenas como "triste"... Foi muito além do triste, roçando mesmo a barreira do vergonhoso e do lastimável... Aliás, o auspício era do pior e já se adivinhava o resultado, depois de uma tarde inteira indecisa entre o "vou actuar" e o "não estou p'ra isto" e 40 minutos de atraso porque não havia maneira de se decidir se até ia dar concerto ou se o camarim era confortável demais pra isso... Ela bem tentou cantar... Eu (que conheço as letras) não as reconheci nos murmúrios que ela ia emitindo... e pelas caras dos fãs presentes nem eles próprios estavam a perceber patavina do que ela estava a tentar cantar...) Ah, também tentou tocar guitarra e dançar... Será só de mim ou a tipa a dançar parece um galinha? E eu que gostava bem dela... Fica a música e um conselho para a menina em questão: mais rehab e menos back to black. A gente agradece.

Eu sonhar bem que sonho…


Pois que não sonho alto, não sonho não senhor! Só queria um destes, redondinho e pequenino, que a mim mete-me medo a parte dos estacionamentos. Era um assim, azul bebé, verdinho ou um vermelhinho (vêm como não sou exigente?) e era vê-los a parar nas rotundas e eu a causar furor neste modelinho catita ao som de uma Amy, uma Alanis ou uns Xutos... Sim senhor, com um destes já eu era menina p’ra tirar a carta..

Alguém que me pague a publicidade aqui feita, que isto de trabalhar de graça não 'tá com nada.

sexta-feira, 30 de maio de 2008

Ele há cada idiota...

Agora a sério, quem foi o idiota que disse ao Ben Affleck que ele sabia representar?!

E porque não?

A primeira coisa que me ocorreu quando me sugeriram que escrevesse um blog foi "e porque não?" Foi assim que surgiu o "porque sim!", porque em regra não recuso uma ideia ou uma iniciativa sem primeiro testar ou experimentar, a não ser que essa ideia seja mesmo muito estúpida (ou se vier de um engenheiro, é opcional), casos em que recuso com cara de "tás parvo ou quê". Vamos ver como corre. :)