sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Halloween

Hoje é noite de Halloween. Eu já tenho planos (e bem bons, hihihi) para esta noite.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Pensamento Parvo

A minha mãe ensinou-me a não falar com estranhos...

Será que responder a comentadores anónimos infringe essa regra?! hmm....

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Conversa Produtiva (que virou post interactivo)

Ele - Olha, então diz lá como vai ser na sexta-feira!

Ela - Vai ser bonito!


Ele - Oh, a sério, diz lá! A que horas vai ser?

Ela - Vai ser a uma hora jeitosa!

Sim, foi uma conversa real, era impossível imaginar isto... ;p

(e agora, a continuação da conversa imaginada pelo Dante):

Ele - E vamos fazer o quê?

Ela - Uma coisa linda.

(e agora, a continuação da conversa imaginada pelo Rafeiro Perfumado):

Ele: E onde vamos fazer a coisa linda?

Ela: Num sítio engraçado!

Ele: E onde é o sítio engraçado?

Ela: Numa zona fantástica!

Ele: E onde é a zona fantástica?

Ela: Num país fabuloso

Ele: Ok, já vi que vamos ter de sair de Portugal...

E eu lá te perguntei alguma coisa, ó idiota?

Eu é que gosto quando me vêm dizer, como quem não quer a coisa e sem eu ter perguntado o que quer que seja, que não vão ao meu blogue, que nem têm tempo para ir a blogues pois são pessoas muito ocupadas e não têm tempo para essas leviandades e perdas de tempo, mas que depois, como que por coincidência ou clarividência divina, me falam nos precisos temas dos meus posts da semana ou vêm perguntar se eu estou bem quando não publico nada durante 2 dias.

E eu nem digo a alguém que tenho um blogue (por acaso até nem é só um), não peço para irem visitar, nada. Até prefiro que quem eu conheço não saiba que escrevo aqui. Porque escrever sob um pseudónimo me dá mais liberdade.
Mas essa gente faz questão de me dizer que não veio, não viu e não leu.

Não sei porque é que são precisamente as pessoas que não visitam o meu blogue
[porque são ocupadíssimas, porque blogues são coisas para gente desinteressante, porque não vão a blogues nenhuns a não ser o Blogue X (há sempre um que elas vão visitar), ou por isto ou por aquilo] as únicas que me vêm dizer estas coisas. Eu lá lhes perguntei ou cobrei alguma coisa? Se não vêm, se não lêem, como sabem as merdas que eu escrevo?

Felizmente o meu blogue é muito bem frequentado e comentado, e como tal, como muito bem podem comprovar, não preciso das vossas visitas nem dos vossos comentários. Tenho leitores e comentadores fenomenais e bem queridos para mim (é só comprovarem pelos 2 ou 3 últimos posts).

E ainda para mais eu nem quero saber se lêem ou não, nem ando a ver que blogues visitam e comentam.

Se fazem questão de me dizer que não cá querem vir (porque vir, efectivamente, vêm na mesma, só mentem é acerca disso), ou se fazem questão de mostrar que vão a outros blogues, só não querem vir é ao meu, perdem o vosso tempo. Não é bonito, não fica bem, é mesquinho. E faz de vocês pessoas pequeninas. Já para não dizer que fazem umas figurinhas ridículas. Quem eu gosto que cá venha já vem. Quem eu gosto que comente, já comenta.

E novos comentadores são sempre bem-vindos, não quero que passe a mensagem errada. As pessoas para quem este desabafo é dirigido conhecem-me pessoalmente, e já sabem disto, que eu não ando a mandar recados por blogues, até porque felizmente tenho cabecinha e maturidade para não descer a esse nível de cobardia.

O que vocês têm já tem nome. Cura, não. Mas nome tem.

E como eu sou uma querida, quero mesmo ajudar essa gente. Meus queridos, é só visitarem este site e já têm tudo o que precisam para cuidar dessa dorzinha, que acredito que seja incomodativa! Não cura, mas deve aliviar!

terça-feira, 28 de outubro de 2008

As vicissitudes do Ego, by Krippmeister

Não é comum eu publicitar textos de outros blogues. Quando o faço, é porque o texto em questão é especial. E este é, sem dúvida, especial. Está magnificamente escrito pelo Mas além do que já nos habituou com os comentários, consegue neste texto retratar uma verdade masculina universal e, como sempre, com muito humor. Leiam este texto e visitem-no aqui:

Num comentário ao post anterior, a Salto-Alto disse o seguinte em relação aos videojogos: “Só gosto de ganhar mesmo. E se for a meninos, melhor. E se os ganhar por mérito meu (e não porque me deixaram) num jogo de futebol ou de corridas, a vitória tem um sabor divinal!”. (sim, sim, fui mázinha, já sei. Mas é a verdade, meninos, aguentem-se!) É certo que ela é advogada e esteve cinco anos a ser treinada para humilhar pessoas em público. (LOL! Muito bem tirada!) Mas esta sua gratificação em se superiorizar ao sexo oposto é generalizada, pelo que a questão mereceu este post.

Eu entendo a Salto. A verdade é que ego masculino vive ainda na era da inquisição. A nossa masculinidade está permanentemente sob escrutínio e deve portanto ser reafirmada a todo o momento. E afirmar a masculinidade passa sobretudo por ser superior às mulheres nas coisas realmente importantes da vida, como por exemplo dizer o abecedário em arrotês, dar chutos numa bolinha de couro, ou conduzir um canalizador italiano com voz de castratto numa corrida de karts. O herege do séc. XXI é aquele que não se mostra apto nestes e muitos outros testes de virilidade instituídos. E como tal é devidamente punido.

- Então e a Angelina pá? Ui, fazia-lhe tudo!

-Por acaso não me seduz nada. É esquelética. Parece que já morreu e ninguém lhe disse. E os lábios? A mulher deve ser alérgica ao próprio batom.

- Paneleiro! Prá fogueira!

Perder num videojogo com uma mulher só é aceitável se fôr no Tricô Simulator, ou quanto muito no Shopping Tycoon. Qualquer outro jogo insere-se no domínio da masculinidade. A mulher que ganhe nesta categoria viril tem não só a satisfação da vitória, como também o bónus de ver o homem a inventar desculpas cretinas para tentar salvar a sua imagem, enquanto clica nervosamente no start para mudar para outro ecrã que não o que diz “YOU LOOSE”.

- Epá fofinha! Se não fosse a ressaca da festa de ontem tinhas levado uma teca!

- Mas querido eu também bebi ontem...

-Sim fofinha, mas como toda a gente sabe 99% do cérebro da mulher é uma massa inerte, portanto dificilmente o alcool afecta aquela minúscula partezinha funcional.

Outra relação complicada para o ego masculino é a do homem baixinho com a mulheraça alta. Já vi de tudo, desde obrigar as moças a andar sempre de salto raso, até carregar um banquinho especialmente para as aparições públicas. Mais ridículo que um homem baixo ao lado de uma mulher alta, é um homem baixo a tentar desesperadamente ser alto ao lado de uma mulher alta a tentar condescendentemente ser baixa.

Estas situações são inevitáveis. São as vicissitudes. Aguente-se. O segredo está em saber tirar o que há de melhor e partilhar a experiência. Eu já estive em ambas, portanto falo-vos do lado da experiência pessoal.

Depois de meses como o campeão inabalável de Mário Kart nos campeonatos da hora de almoço, fui finalmente derrotado pela Joaninha, que com determinação e habilidade se tornou uma corredora exímia. Ela ficou radiante com o seu feito e eu também. Foi uma festa assinalada com post e tudo, e a partir daí a competição tornou-se muito mais divertida, com os campeonatos a serem decididos frequentemente na última corrida. Não houve sequer espaço para egos feridos.

Quanto á questão das mulheres mais altas a resposta é simples: É mais alta? Óptimo! Há mais para escalar :)


Querido
Krippa, mais uma vez, muitos parabéns. E homens, ponham os olhos neste beo espécimen.

(versão corrigida pelo Krippmeister)

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Justiça Célere

(clicar para aumentar)
Já não é a primeira vez que vejo isto acontecer...

domingo, 26 de outubro de 2008

Estou um pouco confusa...

Hoje à noite tentei actualizar a leitura nos blogues que costumo visitar. E para fazer isso utilizo sempre o meu blogroll. E foi hoje que, pela primeira vez desde que o coloquei, dei uma olhadela ao contador de visitas e de visitantes deste meu blogue.

11.000 visitas e 6.027 visitantes (diferentes e não os mesmos!) em 5 meses (and counting)!

É bom, certo? (confesso que de números e de estatísticas em blogues não percebo patavina) (confesso também que estava ansiosa por poder usar a expressão "não percebo patavina" no meu blogue desde há muito tempo. Era "não percebo patavina" e "cretino". Achei que era giro juntar ambas as expressões na mesma frase).

Bem, para mim é óptimo. OBRIGADA a todos vocês, pelas vossas visitas e pela vossa presença, o vosso feedback é importante! E Parabéns, porque no fundo, são vocês quem ajuda a manter o blogue!

Pronto, não resisto:

sábado, 25 de outubro de 2008

Curas milagrosas? Sim sim, é aqui!

Portanto... Ele era aldrabão... alguém se cansou das balelas dele e deu-lhe uma facada... ele morreu... e está a agradecer pelo milagre?! Ele morreu, já alguém lhe disse isso?
Não sei onde andam as pessoas que atribuem o Prémio Nobel da Medicina quando aparecem estes casos...
Vai uma cartada durante um milagre? Ai não, com este gajo é melhor não que ele é bem capaz de fazer um bluff do caraças...
Nem comento...
Eu sofro! Mas tu és capaz de sofrer bem mais... da cabecinha...

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

"Maddie: A Verdade da Mentira"

Terminei hoje de ler o livro "Maddie, a Verdade da Mentira", de Gonçalo Amaral.
Prefiro não dar a minha opinião acerca do conteúdo do livro.

Gostei de ler e já sabia, à partida, que não deveria estar à espera de um grande género literário, já que este livro visa não a leitura recreativa, mas algo mais.


Só li agora o livro porque o quis ler temporalmente longe do mediatismo que envolveu o caso e das reacções intempestivas e coléricas que até há alguns meses eram indissociáveis deste caso. Toda a gente tinha uma opinião sobre o que aconteceu a Maddie.

Hoje as pessoas parecem esquecer-se que um dia uma menina inglesa desapareceu no Algarve. E que pela sua condição de estrangeira recebeu mais atenção do que qualquer outra criança até aí dada como desaparecida. Pelo menos já não é tema obrigatório da chamada "conversa de circunstância".


Não gosto de livros verdadeiramente comerciais, que apenas visam publicitar esta ou aquela pessoa, nem de livros que foram claramente escritos com o único propósito do lucro. Repudio os pseudo-escritores que decidem auto-intitular-se de "escritores" só porque decidiram pegar numa notícia polémica e escrever sobre ela.

Exactamente ou não, com ou sem rigor, não interessa. Porque apenas pretender vender a "banha da cobra" e ganhar dinheiro.
Não penso que este seja o caso. E essa foi uma das razões que me levou a querer ler o livro.

Porque penso que será o relato de um homem que digna a sua profissão, que a honrou, e que se sente injustiçado e impedido de continuar a sua carreira, deixando assim sem solução uma histórica trágica. E sem o deixarem trazer ao de cima a verdade.


Sinceramente, o que mais me levou a ler o livro foi o facto de querer compreender melhor o lado ligado ao Direito, minha área, que não conheço, mas que comigo trabalha no sentido da Justiça. Porque os casos chegam-me depois da actuação deste órgão de segurança. Porque acho que não são devidamente valorizados e porque queria conhecer o seu modo de actuação. Principalmente num caso tão inédito e em que tudo o que era mostrado via meios de comunicação podia ser deveras dissimulador dos esforços realmente conduzidos pelos órgãos de investigação.


Li o livro e gostei de o ler. Só espero que a verdade um dia seja trazida ao conhecimento de todos e que os culpados pelo desaparecimento desta criança - não por ser inglesa, não por ter sido em Portugal, não por ter pais médicos e aparentemente influentes, mas por ser uma criança - sejam punidos.


E sobretudo que a partir deste caso nunca mais uma criança desapareça sem o mesmo esforço ser movido para a encontrar, independentemente da sua raça, idade, religião ou nacionalidade.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Apoiar os amigos é que está a dar

E eu, como amiga do Sr. L!ngu@$, tenho que fazer a minha parte.

Ora, venho por este post apelar ao vosso sentido de humor e apelar ainda ao vosso voto. Por isso, vejam estes 2 primeiros vídeos e votem neste link (5 estrelas, não se enganem!):







Já antes aqui vos falei no Festival Fast Forward (os mais esquecidos cliquem aqui). Pois bem. O nosso menino L!ngu@$ participou este ano e o ano passado. Como o malandro ainda não publicou o vídeo deste ano, tenho o imenso prazer de vos mostrar o vídeo do ano passado, cujo tema imposto pela organização foi "O BOM SAI, O MAU E O VILÃO FICAM":



(tenho para mim que não ganhou porque o público não percebeu bem a ideia... é que o bom está sempre a sair... e na cena da ménage vê-se, no canto esquerdo, um bonsai (trocadilho com "Bom Sai")...

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Cuidado meu senhor, tenha muito cuidado...

Mais um dia passado no tribunal. E quando digo "dia", quero mesmo usar o substantivo "dia" e não a expressão "e mais umas horitas passadas na Casa da Justiça" (outro nome que deve ser piada).

Seria de pensar que os adultos tivessem juízo. Pois seria. Mas não, não têm. Tenho para mim que todo o adulto gosta de fazer um certo número de idiotices pela sua vida adulta e que, passado esse limite, já não faz uma asneira mas faz merda da grande e pronto, lá temos nós que levar com esa gente no tribunal. Porque se ninguém fizer merda eu não tenho emprego.

Já antes falei de algumas peripécias a que assisti nesse ilustre local. Aliás, ainda hoje, a minha querida Alguém escreveu de forma brilhante um texto (que se pode ler clicando aqui) e que relata fielmente o que se disse numa audiência:

Juiz: - Como é que sabe que o carro esteve parado?
Jovem, futuro residente prisional: - Porque eu sei que ele esteve parado!
Juiz com muita paciência: - Mas como é que sabe que ele esteve parado?
Jovem com futuras tatuagens a dizer "Amo-te mãe": - Eu sei porque o comprei na França!

(vale a pena visitar e ler o texto integral)

Hoje o tema era outro. Não era sobre carros. Não. Era sobre duas famílias que se lembraram de, num domingo à tarde, irem para a Junta de Freguesia bater uns nos outros. É giro! E é compreensível! Caramba, não dava futebol! E ainda por cima não havia nada de interessante para fazer naquela terriola! Aliás, um dos senhores até estava a dormir e lembrou-se que era boa ideia ir àquela hora para a Junta, porque podia ser que se passasse qualquer coisa de interessante. E passava! Passavam os punhos do primo pela cabeça do tio da família rival!

Mas não se faça mau juízo daquela gente. Não era pelo prazer de bater. Em prol da verdade, aquilo era melhor do que a novela, porque depois foram lá as comadres com os filhos assistir.

Foi pancadaria para os 2 lados e pronto, depois vem tudo para o tribunal. É uma espécie de 2ª temporada da série "Distúrbios na aldeia". Só faltava mesmo que um filho da família A se apaixonasse por uma filha da família B e era uma novela da TVI. Ah, e que essa novela tivesse o nome tirado de uma música portuguesa, claro.

Giro também foi a pergunta da Juíza, para uma senhora que tinha levado pontapés na barriga: "E a senhora ficou satisfeita com a situação?". Oh meretíssima, então não? A mulher deu pulos de alegria e exclamou: "isto é melhor do que um cornetto de morango! Ora dá-me lá mais que eu não me canso!"

Mas não era só a Juíza que tinha o direito de dizer coisas parvas! Não, que o tribunal daqui é muito imparcial, os arguidos também podem ser idiotas! Sim, podem! E podem responder brilhantemente à pergunta "E onde é que isso foi?" com "Ora, foi precisamente no local onde aconteceu!"

Bem sei que tenho pouca experiência nestas andanças. Eu sei que tenho. Mas tenho para mim que, virar-se para uma juíza bastante severa e feminista (e cabra, vá) quando se é arguido e responder à pergunta "Porque é que a sua mulher trabalha na sua empresa, no mesmo cargo que o senhor e ganha menos?"(feita pela juíza), com um "Oh, porque as mulheres trabalham menos que os homens" não foi a melhor maneira de contribuir para a sua absolvição, meu senhor!

E acho ainda que acrescentar "Eu tenho imenso prazer em compensar a minha mulher por essas coisas" quando a juíza perguntou se ele trabalhava tanto que compensava ainda as horas que a mulher trabalhava em casa a cuidar da mesma e dos filhos terá ainda arruinado as hipóteses de recurso... Mas isso sou eu...

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Fast Forward 2008

Sábado à noite fui, com o grupo do costume (os valentes ;p) ao Theatro Circo, em Braga, assistir ao espectáculo Fast Forward Portugal, um festival de curtas metragens.

Para quem não sabe, o Fast Forward Portugal – Film Festival é um festival de curtas metragens em que os concorrentes são convidados a realizar um filme em menos de 24 horas.

O festival Fast Forward nasceu em Chicago nos EUA e realiza-se actualmente também em Dublin (Irlanda) e em Braga (1ª edição em 2006; 2ª edição em 2007). O primeiro passo para participar neste festival é juntar uma equipa capaz de escrever, filmar, editar e, claro, dar a cara no filme.

O filme em formato digital deverá ter até três minutos e respeitar o tema entregue (e não escolhido) no início do Festival a cada equipa.

Partindo do tema, cabe às equipas escrever, filmar e editar o trabalho final até ao dia seguinte. A exibição dos filmes das várias equipas e a escolha dos vencedores será feita nessa mesma noite.

O tema é entregue às equipas às 21 horas do 1º dia do Festival e o vídeo deverá estar pronto e ser entregue até às 18 horas do dia seguinte. Adrenalina no seu melhor.

Este ano os temas foram:

1. A Bagagem. Mal(a)-entendida.
2. A comida estava boa mas algo mudou em mim.
3. Estou farto que me dês música.
4. A nódoa. Sangue ou vinho?
5. Mesmo a tempo. Até parece que caiu do céu.

Este ano tive uma razão ainda mais especial do que o próprio festival em si. Fui apoiar um grande amigo. Eu e a minha crew. ;p

E mereceu! Deixo-vos aqui os vídeos premiados:

Filme 30 - This World and Body - PRÉMIO MELHOR FILME




Filme 03 - Mala Entendida - PRÉMIO DO PÚBLICO + MENÇÃO HONROSA





Filme 15 - A Receita - MENÇÃO HONROSA




Filme 04 - Boo - MENÇÃO HONROSA




Falta aqui o filme ao qual foi atribuído o PRÉMIO DO FILME MAIS FIXE, mas infelizmente o vídeo não foi ainda disponibilizado. Mal o seja, publicarei um post com o mesmo. (a culpa é do Sr. L!ngu@$, vá, que eu não sou mulher de apontar o dedo aos outros).

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Porque até se encontram coisas giras nos fóruns:

Para quem quer ser maluco:

1 - No teu horário de almoço senta-te no teu carro estacionado, põe óculos escuros e aponta um secador de cabelo para os carros que passam. Vê se eles diminuem a velocidade.


2 - Insiste que o teu e-mail é xena.princesa.guerreira@rtf.pt ou elvis.o.rei@rtf.pt

3 - Sempre que alguém te pedir para fazer alguma coisa pergunta se quer com batatas fritas a acompanhar.

4 - Encoraja os teus amigos a fazerem uma dança de cadeiras sincronizada.

5 - Coloca a tua lata de lixo sobre a mesa e escreve nela "Enfia a cabeça".

6 - Desenvolve um estranho medo de agrafadores.

7 - Põe descafeinado na máquina de café durante três semanas. Quando todos tiverem perdido o vício da cafeína muda para café extra-forte.

8 - No verso de todos os teus cheques escreve "Referente a favores sexuais":

9 - Sempre que alguém te disser alguma coisa responde "isso é o que tu pensas".

10 - Termina todas as tuas frases com "de acordo com a profecia".

11 - Ajusta o brilho do teu monitor para que o nível dele ilumine toda a área de trabalho. Insiste com os outros que gostas assim.

12 - Não uses pontuações.

13 - Sempre que possível salta em vez de andares.

14 - Pergunta às pessoas de que sexo são. Ri histericamente quando te responderem.

15 - Quando estiveres num Mac-drive-in, especifica que é para levar.

16 - Canta na ópera com os actores.

17 - Vai a um recital de poesia e pergunta por que é que os poemas não rimam.

18 - Descobre onde é que o teu chefe faz compras e compra exactamente as mesmas roupas. Usa-as um dia depois do teu chefe as usar (isto é especialmente efectivo se o teu chefe fôr do sexo oposto).

19 Manda e-mails para o resto da empresa para dizer o que estás a fazer. Por exemplo: "Se alguém precisar de mim, estou na casa de banho, 3ª porta à esquerda, 2ª sanita".

20 - Põe uma rede de mosquitos à volta da tua secretária. Põe um Cd com sons da floresta, durante o dia inteiro, e imita ruídos de macaco.

21 - Com cinco dias de antecedência, avisa os teus amigos que não podes ir à festa deles porque vai chover.

22 - Faz os teus colegas de trabalho chamar-te pelo teu apelido: Duro na Queda.

23 - Quando sair dinheiro da caixa automática, levanta os braços e grita "Jackpot !!!"

24 - Ao sair do zoo, corre na direcção do parque de estacionamento, gritando: "Salve-se quem puder, eles estão soltos!".

25 - Sempre que o teu chefe te recriminar, diz "não ligue, são as vozes da minha cabeça".

26 - À hora do jantar anuncia aos teus filhos "Devido à nossa situação económica, teremos de mandar um de vocês embora".

27 - Todas as vezes que vires uma vassoura, grita :" Amor, a tua mãe chegou!".

domingo, 19 de outubro de 2008

Um novo melhor amigo

Paolo Nutini é o meu mais recente melhor amigo. Não conheço o gajo nem sei o que faz da vida, aliás, nunca o vi. Mas estamos em sintonia:




"(...)Hey, I put some new shoes on,
And suddenly everything is right,

I said, hey, I put some new shoes on
and everynody's smiling,

It's so inviting,
Oh, short on money but long on time
Slowly strolling in the sweet sunshine,

And I'm running late and I don't need an excuse,
'cause I'm wearing my brand new shoes!

Take me wandering through these streets,
Where bright lights and angels meet,

Stone to stone they take me on,
I'm walking to the break of dawn.

Hey, I put some new shoes on,
And suddenly everything is right,

I said, hey, I put some new shoes on
and everynody's smiling,"

Assim muito muito por alto eu diria que o meu novo amigo é gay... São os únicos homens que conseguem apreciar devidamente a obra-prima que são os sapatos e que ainda por cima escrevem uma música sobre o tema. É, pelo look da coisa, tenho um novo amigo gay.


NOTA: Sim, este é um post discriminatório, mas ao contrário do que pode à primeira vista parecer (e só me apercebi disso depois de ler alguns comentários), é discriminatório de forma positiva em relação ao estereotipo do homem gay, que considero, para efeitos deste texto, o único tipo de homens que consegue fazer uma música sobre sapatos!!!

sábado, 18 de outubro de 2008

Uma justiça dos diabos

Como o nosso país é muito evoluído e muitíssimo avançado! Usa-se a informática para tudo! Ele é a net mais rápida e mais barata de sempre, ele são as novas oportunidades, ele são Magalhães "oferecidos" a torto e a direito...

Na área da justiça não se fica atrás: para tudo agora se usa a Internet e os pagamentos são feitos, grosso modo, por multibanco. Lindas tecnologias.

Ora, para se intentar uma acção no tribunal, enviar documentos para o tribunal, etc etc etc, tem que se pagar. Mais uma vez, nada de novo, porque em Portugal paga-se quase tudo (senão mesmo tudo). Até aqui, ainda nada de novo.

Em primeiro lugar: quem é que atribui os códigos de entidades e referências aos pagamentos pelo multibanco? Quem são estas alminhas que todos os dias têm que fazer diferentes combinações de números para, ao digitarmos os mesmos no multibanco, paguemos a dívida ao serviço público que funciona pessimamente mas que se cobra 1 e não ao serviço público que funciona pessimamente mas que se cobra 2?

Lamento por essa gente, que faz combinações de números como se não houvesse amanhã (e com aquele trabalho, devem mesmo desejar que não haja....).

Em segundo lugar: como serão as entrevistas para esta categoria de emprego? E quais os critérios? Saber os números até 9, começando a contar do 0? Conjugar os números consoante o horóscopo do dia?!

E todas estas questões porquê?

Porque há coisas que não entendo e que me ultrapassam...

Juntemos as ideias atrás explanadas e pensemos em conjunto: tratando-se a justiça um serviço muito nobre e da vital importância que é para o país (quem diria!...), seria de calcular que os senhores que mandam nestas tretas tivessem melhor imaginação...

Ou pelo menos melhor bom senso... ou inteligência... é, é bem capaz de ser um problema de inteligência... Senão vejam a imagem e reparem nos números que constam na tabela correspondentes à "Entidade" e à "referência" do pagamento:

Desculpem, meus senhores, mas perante isto, apenas posso assumir que ou são muito parvinhos ou então sabem perfeitamente o que se passa e já descobriram que, na realidade, o nosso país é governado por uma besta.

(para os mais cépticos, aqui está a prova de que isto não foi um desvario meu...)

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Burn after reading

Fui ao cinema ver o filme "Burn after reading", que é como quem diz "Destruir Depois de Ler". Adorei.

Gosto imenso de filmes com histórias aparentemente desconexas, mas que se tocam primeiramente de uma forma muito ténue, para acabarem por se entrelaçarem umas nas outras, formando uma história fascinante.

E, ao contrário do que o resto do mundo e da mulherada deve pensar, eu não acho que o George Clooney seja tão bom actor como dizem. É giro, é charmoso, tem boa presença, mas não, de longe, um actor digno de um Óscar. Nem sequer de um Globo de Ouro. O Brad Pitt, por outro lado, é um actor do caraças (expressão técnica que eu gosto muito de utilizar).

Adorei o filme e continuo fã do trabalho dos irmãos Coen. São uns porreiros.

Aconselho vivamente o filme.

Mas, se possível, vejam sem gajas histéricas atrás de vocês, que dão pulos na cadeira e gritinhos desenfreados sempre que o Brad Pitt ou o George Clooney entram em cena. Não façam como eu, que me sentei mesmo em frente a essa gente...


Newsflash ladies: vocês NUNCA vão arranjar homem se continuam a comportar-se como gatas com o cio de cada vez que um homem bonito e charmosos aparece, ok?

A Salto-Alto anda popular

Eis que me foi atribuído o meu primeiro prémio blogosférico, pela querida Lua! Muito obrigada! Como ela tão bem descreveu, "O conceito deste prémio passa por reconhecer valores culturais, éticos, literários e pessoais, transmitidos de forma criativa e original nos pedacinhos rabiscados por cada blogueiro que o receba.".

O prémio só pode ser atribuído por quem o receber a 15 pessoas. Por isso, optei por atribui-lo a 15 amigas com um estilo de escrita que mais se assemelha ao objectivo do mesmo.

Pois bem, procedo então ao cumprimento das regras inerentes a este prémio, e passo-o á sminhas seguintes amigas blogueiras (por ordem alfabética para não revelar favoritos), que acredito serem merecedoras do mesmo (desculpem, meninos, ficam excluídos desta vez):

* Alguém
* Anjo de Cor
* Aralis
* D.Antónia Ferreirinha
* Feitiosinho
* Maria Manuela
* Mariana
* Minhoca
* Miss Kitty
* Nogs
* Pieces of me (luna)
* Pearl
* Pensamento Vadio
* Quase eu
* Zanine

Querida Lua, obrigada! Atribuíste-me o prémio mas também o mereces! Estavas na inicial lista das 15 contempladas, mas o espaço não chegava e uma vez que já tens o prémio, pus-te aqui no local de honra! :p


E como no título prometi que andava popular, não podia ter apenas uma notícia deste calibre! E não tenho, tenho 2! É que além daquele prémio, recebi este miminho em forma de selo, enviada pela minha querida Minhoca (ai que isto agora podia dar uma coisa tão porca, ainda bem que a vossa mente é purinha!) :

Claro que tamanha honra não vem sem mais nem sem porquês! Claro que não! Há regras, senão todos tinham estas honras e não pode ser! (Teoricamente até pode, mas pronto). Uma vez que já publiquei o selo e que já revelei quem foi a queridíssima que mo atribuiu, resta escolher 10 blogues para o repassar. O que é difícil. Muito difícil. Aqui vai:

* Alguém
* Aralis
* _+*A Elite in Paris*+_
* D.Antónia Ferreirinha
* Joaninha
* Lua
* Peregrina
* Pieces of me (luna)
* Saves
* Zanine

Queridíssima Minhoca, estavas na lista, mas depois lembrei-me que, se já tens o prémio, para que o iria atribuir de novo?! Pois, fui lenta de raciocínio... ;p

Beijocas a todos!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Desculpem, mas tem mesmo que ser, esta chamada de atenção tem mesmo que ser feita: cliquem aqui e leiam um dos melhores posts de sempre (e não é querer ser amiguinha e amorosa para o autor, é mesmo merecido).

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

A Salto fala engenheirês (vá, arranha)

Ouvi dizer que os engenheiros não conseguem ler o que eu escrevo no meu blogue... O que, pensando bem, até é bastante normal, uma vez que eu não escrevo na linguagem a que eles estão habituados, já que não uso códigos antes e depois do que digo...

Por isso, dirijo-me agora aos meus leitores engenheiros:



Ah! Agora sim, sinto que nos entendemos!

É só eu aprender linguagem binária e então vamos mesmo comunicar!

[por favor não corrijam eventuais erros técnicos, senão volta a reinar a discórdia (mas daquela amigável) entre nós, sim?]

(Ah, e alguém me podia ter avisado que se eu digitasse aqueles códigos na janela de publicação dava asneira da grossa...)

Resumo do meu dia

1º Julgamento do dia: Adiado.

2º Julgamento do dia: Adiado.

De tarde meti baixa psicológica. Finalmente pude fazer o que já adio há tempo demais e é das minhas coisas preferidas: passar a tarde relaxada, a ler (mas literatura decente, e não casos da vida, esses já leio todos os dias no estágio!) e a empanturrar-me de gomas... (aquelas amorinhas são a minha perdição...)

E pronto, como a minha nos últimos meses passa por ler imensos processos (nunca pensei que a vida das outras pessoas fosse tão chata) acumulei uma boa pilha de livros para ler.

Prometi a mim mesma pôr a leitura em dia e não adiar mais prazeres como este. Para ser mais fácil para mim não fugir à promessa (se gosto, o trabalho não se pode intrometer de tal forma que aniquile este meu vício) vou publicando frases giras dos livros que for lendo.


Hoje li 2 livros do Oscar Wilde (sou fã, desde o momento em que, ainda em miúda,, me deram o meu primeiro livro deste escritor que fiquei fã) cada um com 5 contos, um na versão original e outro em português. Aqui ficam as frases que me chamaram a atenção:


"Nada se parece tanto com a inocência como a indiscrição", in Lord Arthur Savile's Crime

"A verdadeira base do casamento é a incompreensão mútua", in Lord Arthur Savile's Crime

"
As mulheres foram feitas para ser amadas, não para ser compreendidas", in A Esfinge sem Segredo

"A menos que se tenha muito dinheiro, não vale a pena ser-se uma pessoa encantadora" e "O sentimentalismo é privilégio dos ricos, não é profissão para os desempregados", in O Modelo Milionário (é suposto esta frase ser interpretada, como toda a sua obra, tendo em atenção a época vitoriana em que o autor viveu e na qual ele se inspirou para as inúmeras críticas sociais).

terça-feira, 14 de outubro de 2008

Olé

Acalmem-se os que já me davam como desaparecida, qual andorinha perdida. Já me cansei de ameaçar que era desta que voltava e vai-se a ver não era nada. Peço desculpa por ter andado ausente e por isso não ter respondido aos comentários. Assegurem-se que os li e que gostei de os receber. Apenas tenho andado muito ocupada.

Hoje parece que tudo volta ao normal. O meu dia começa como todos os outros: depois do banho que apenas acorda 10% de mim, sento-me ao computador, a bebericar o meu leite com café, bem forte (vá, tão forte quanto um leitinho com café consegue ser), e a saborear o docinho matinal do dia, enquanto me actualizo nos blogues e nas notícias do dia. Às 9h30 já estou no tribunal, com o gangue do costume. Espero vir cheia de novidades fresquinhas! :)

Já agora, e para não dizerem que não tenho fair-play, aqui vão duas bem quentinhas:

Um advogado e um engenheiro pescam juntos no Rio Douro.

O advogado comenta: - Estou aqui porque minha casa foi destruída num incêndio com tudo que estava lá dentro. O seguro pagou tudo.

- Que coincidência! - diz o engenheiro. - A minha casa também foi destruída por um terremoto e eu perdi tudo! E o seguro também pagou tudo!

O advogado olha intrigado para o engenheiro e pergunta: - Como é que você faz para provocar um terremoto?



Numa audiência, o juiz pergunta ao réu:

- 'O senhor não trouxe o seu advogado?'

- 'Não, meritíssimo! Eu não tenho advogado. Resolvi falar a verdade!'

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Peço o prémio Nobel da Inteligência

para o juiz que atribuiu a medida de coacção de prisão domiciliária ao sem vergonha que bate na mulher todos os dias. É, sem dúvida, a melhor maneira de evitar a prática de violência doméstica: obrigar o agressor a ficar 24 horas em casa com a vítima mulher, que tem a profissão de doméstica. Haja mais cabecinhas a pensar assim e o País melhora de qualidade a olhos vistos.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Arre que já cansa ler que voltei, para depois desaparecer de novo

Não é por falta de vontade, mas sim por verdadeira falta de tempo que tenho andado desaparecida do meu próprio blogue. Porque a última semana e esta não têm sido fáceis e já há muito tempo que não me sentia em baixo. E com o tempo, esqueci-me de como era. Porque estão sempre habituados a ver-me sorrir e a ouvir-me dizer piadas e agora não é com vontade que o tenho feito. Mas eu disse que dava a volta e que saía sempre por cima. Disse e fiz. Por isso, estou de volta, eu mesma como eu sou.

E com duas novas paixões:


Sim, cachorrinho da nova loja de animais, um dia vou ter um igual a ti a aquecer-me os pés de noite e a quem vou perseguir, de jornal em riste, por estragar os meus sapatinhos preciosos.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

sábado, 4 de outubro de 2008

Sexta sem ideias, Sábado com preguiça

Quem tem amiguinhos tem tudo, verdade? Verdade, sou eu quem diz e por isso não se discute.

Estava eu a ver os meus e-mails enquanto bebericava o meu habitual café com leite na minha chávena das Belgas quando me deparo com 2 e-mails que não eram reencaminhados de sítio nenhum! Nem eram daqueles que tenho que reenviar sob pena de morte!

Pois bem, 2 amigos deram-se ao trabalho de me enviar um e-mail, elaborados por el
es e do nada, só porque se lembraram de mim! É lindo! (confesso que ainda ando dopada com Ilvico e por isso dão-me estes "episódios" de idiotice que só eu acho que são de curta duração).

Eis que o identifica-te/anónim? me mandou a continuação da novela Matt Damon/Sarah Silverman/Jimmy Kimmel, que podem ver aqui, e a querida Saves enviou-me esta imagem:
Beijos grandes para os 2, que foram uns queridos!

E por favor não me acusem de publicar tudo o que me mandam para o e-mail! ;p


A
h! Antes que me esqueça!:

PARABÉNS L!NGU@$!!!

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

De regresso

Bem sei que no penúltimo post "ameacei" abrandar nos posts. Mas nunca tive real intenção de o fazer. O facto é que andei de "baixa" blogosférica. :) Porque isto há coisas que não lembram ao diabo, mas que me acontecem, é certo certinho! Porque estive então ausente?

Incidente nº1 - Cenário: Tribunal. Horas à espera de entrar para a sala. Por fim, vejo a causa dos momentos de espera: um senhor lembra-se de magicar e levar a cabo um plano mirabolante para roubar, nem mais nem menos do que 20 euros de gasolina. Não sei como aquela pobre alminha se deu a tanto trabalho para nem sequer atestar o depósito. Não, ele é boa pessoa, a roubar rouba-se só 20 euros de combustível, porque encher o depósito já é abuso! Ó homem, se é para me fazer perder tempo ao menos faça algo de jeito!

Incidente nº2 - Almoço com os amigos. Cheia de fome e de esperar,ainda tive que me aguentar mais 1 hora até todos aparecerem. Escusado será dizer que desapareceram todas as bolachas que carrego na bolsa.

Incidente nº3 - Ao almoço decidimos folgar de tarde para alinhar num jogo amigável de basket. Já não fazemos desporto há imenso tempo, vai ser giro, etc. Convenceram-me. Toca a ir a casa trocar os meus tacõesinhos por algo mais prático. Vamos jogar basket a casa do Sr. Ninja. Literalmente invadimos a casa sem o avisar. O jogo começa. Mulheres contra homens. Claro que nenhuma de nós se lembra que o fenómeno "homens a avistar uma bola" gera uma reacção bastante semelhante a "macaco vê uma banana". Pois. Estava eu muito bem a pôr as cusquices em dia no meio do campo com as meninas e de repente deixo de ver e de ouvir. Houve alguém (com pila, claro, pois estava a correr desvairado através de uma bola) que saltou e me deu uma cotovelada no ouvido (ainda hoje dói, sacana!).

Incidente nº4 - Depois de algum tempo de jogo achei que era giro ir buscar uma mangueira e molhar os homens. E consegui. Até achar que já chegava e pousar a mangueira. Depois as molhadas fomos nós. E achamos todos que o normal era continuar a jogar e depois ir lanchar encharcados.

Incidente nº5 - Post anterior.

Incidente nº6 - Gripe.

Incidente nº7 - Mais uma lei de Murphy: se estás de cama com gripe e precisas de algo que te distraia, é precisamente nessa altura que a internet vai deixar de funcionar.


Hoje já me sinto melhor. De tarde vou recuperar junto dos meus amigos, que foram uns queridos e me mandaram mensagens e alguns até me visitaram. Algo me diz que depois de uma tarde com eles num espaço fechado me vai fornecer material para uns bons 30 posts! ;p Beijoca e obrigada por todos os comentários que me deixaram! :)