sábado, 30 de maio de 2009

"Porque a Ironia é uma forma de vida e o Sarcasmo uma religião"

E é com a minha frase que acabo.

Foi um ano de posts, uns bons, outros fantásticos, outros que quase chegavam lá. :)

I came, I saw, I conquered.

Tive imensos posts que outros bloggers me dedicaram. Tenho muita gente a seguir esta casa. Já fui elogiada, invejada e até já me tentaram roubar o blogue (cúmulo da inveja e da insatisfação pessoal do mini indivíduo). Já ouvi o meu blogue da rádio. Recebi muitos prémios e mimos. Recebi imensos comentários, muitos mais do que alguma vez pensei receber. Mas sobretudo - e é o que mais importa - recebi muito carinho e apoio de muitos bloggers. E surpreendi-me, nunca pensei que num mundo virtual se pudessem criar laços de verdadeiro companheirismo (não é do meu feitio ser cínica,por isso não vou dizer "amizade").

O Porque Sim! Ora! acaba aqui. Não vou dizer que é um adeus para sempre (embora ache que realmente é), mas é um adeus decidido já em Fevereiro e prolongado até agora.

Quem me conhece sabe que não consigo estar parada, que tenho sempre de estar a fazer alguma coisa e que tenho uma grande sede de viver a vida com intensidade. E n
este momento ter o blogue já não me dá gozo. Tenho muito pouco tempo livre e acho um desperdício passa-lo em frente ao computador. Não é do meu feitio estar parada tanto tempo, pronto! Já nem tenho tempo para comentar os blogues que leio. Já nem tenho tempo para responder aos vossos comentários. E sobretudo, já não tenho a mesma vontade de escrever. Pelo menos não aqui.

Só queria dizer que este post não ia permitir comentários, mas depois iam acabar por comentar no post anterior (como ja tem acontecido - finórios ;p). Não ia permitir comentários porque esta é uma decisão que já foi tomada há muito tempo. Apenas a fui adiando.
Este post é para ser levado a sério. Não é uma tentativa de receber elogios ou pedidos para ficar. É mesmo o fim.

Obrigada por em menos de um ano terem tornado este blogue tão bem frequentado, tão comentado, tão seguido e tão animado.

O meu mais sincero obrigada a todos os que leram o que fui escrevendo.

Aproveito para agradecer em especial ao meu gajo, que sempre me apoiou desde que soube que eu tinha um blogue (não, não o soube desde o início). Obrigada aos meus amigos, dos quais tenho que destacar a Alguém, a Pensamento Vadio e o Bloguótico, por insistirem comigo para criar um blogue. Obrigada em especial aos Bagatelianos -
já sabem, esperam-nos as melhores férias de sempre lá para o sul - uma mansão espera-nos! ;)

Obrigada a vocês, que lêem, seguem, comentam e acompanham o meu blogue. Vocês ajudaram a manter o blogue com as vossas visitas e os vossos comentários. Claro que há bloggers com quem simpatizo mais, aqueles que já foi possível conhecer melhor através de conversas nos comentários, no messenger (essa coisa vil) e por e-mails. Queria agradecer àqueles que vêm a esta casa há mais tempo, quase desde o início, mas tenho receio de ser injusta se colocar aqui só alguns nomes.

E assim me "despeço". Como não gosto de despedidas não vou dizer um "adeus" mas fica um "até sempre"! :) Pode ser que nos encontremos por aí, até porque nem o blogue, nem o meu e-mail nem o perfil vão ser apagados.

Obrigada e até sempre!
Lipa - A arrasar desde 1984

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Depois de ler os vossos comentários, tenho que admitir que vocês têm razão: podia ser pior, muito pior. O filme podia contar ainda com a presença do Chuck Norris e do Steven Segal.

O meu namorado odeia-me

É a única explicação que encontro para o facto de ele me convidar a ver um filme escrito e realizado pelo Sylvester Stallone (a sério, o que é que esta gente tem na cabeça?!) e que tem como actores nomes tão respeitáveis no mundo da 7ª arte como Arnold Schwarzenegger, Sylvester Stallone e Jet Li (vencedores numa possível categoria dos Óscars - "Só faço filmes porque aprendi a dar socos em inimigos que fazem fila indiana para me atacar e porque sei dar um pontapé no ar").
E não, haver um filme que tenha finalmente juntado o Sylvester Stallone, o Arnold Schwarzenegger e o Jet Li não é a melhor coisa do mundo. Nem sequer é razão para se organizar uma mega festa em casa para o evento, ok?

É mais o fim do mundo para as gajas e uma desculpa para os gajos andarem pela casa em cuecas a fazer lutas imaginárias com os inimigos do Sylzinho e do Arnaldo.

O único filme que o Stallone e o Schwarzenegger deviam fazer juntos era num lar de 3ª idade. Tenho dito.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Até dava um slogan giro. E é meu. Eheh.

Domingo à tarde num shopping.
A prova de que o êxodo rural veio para ficar.

[fica a dica: mandar piropos foleiros num shopping é ainda pior do que ouvi-los ao passar por obras. E já agora, gostava que me dissessem porque é que os parolos só andam em bando. Parece uma vara (de porcos, entenda-se).]

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Ganhei o Euromilhões!!!!!!!!!!!

...
...
...
Pronto, é mentira. MAS se algum dia jogar, não podem dizer que nunca treinei o meu grito de vitória.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Tan tan tan tããã! (cantarolar com a entoação correcta, fáxabor)

1. Eu nunca acampei.
Mentira.
Eu sei que parecia verdade, porque uma gaja que gosta de sapatos só podia ser muito chique e não gostar dessas coisas de mato e de bichos e de lama. Mas não, é mentira. Eu sou assim a modos que um jipe "todo o terreno" e gosto de aventuras. (esta analogia podia ter saído melhor mas é segunda-feira à noite e não tenho pachorra para pensar muito).

2. Eu já frequentei um colégio de freiras.
Verdade. Andei sim senhor. E não, tarados, não havia uniforme. Mentes porcas.

3. Eu já parti um braço e uma perna.
Mentira
. Nunca parti nada disso. A única coisa que parti foi um osso do pé e como estava de férias decidi aproveita-las até ao fim e só depois ir ao Hospital. Por isso andei 3 semanas com o pé ligado pelo enfermeiro do campismo (assim do género McGyver) e quando fui ao hospital os médicos disseram que o osso tinha cicatrizado sozinho. É que nem sequer fui gaja suficiente para partir o pé como deve ser e usar gesso... "Menina de colégio, copinho de leite demais para usar gesso como os comuns mortais" dizem vocês. Mas eu respondo: "Não porque eu já fui acampar!" e lixo-vos.

4. Eu nunca saí de Portugal continental.

Mentira. E é isso, é mentira.

5. Antes de me licenciar em Direito frequentei o 1º ano de engenharia civil.
Não só é mentira, é uma calúnia!!!! É uma daquelas coisas que ditas eu sinto um desejo incontrolável de me benzer 3 vezes, exclamar "Lagarto lagarto lagarto" e morrer a seguir! Nunca, jamais e em tempo algum podia ser verdade! Eu sou advogada e a proximidade máxima que tenho de engenheiros é ter de defender criminosos! ;p

6. Eu nunca fui ver 3 filmes ao cinema, no mesmo dia.

Mentira.
Só podia. Adoro cinema. E já fui ver 3 sessões no mesmo dia. Bons tempos!

7. Há mais de 8 anos que tenho o mesmo namorado.

Verdade. E sim, ele atura a minha panca por sapatos e por bolsas. E não, não é engenheiro (cruzes credo, lagarto lagarto lagarto).

8. Tenho mais de 50 pares de sapatos.

Verdade.
Até tenho mais, mas não vou dizer quantos são senão tenho de ouvir sermões sobre consumismo e sobre a fome em África (by the way, lá não comem solas nem tacões, por isso shiu).

9. Eu tenho 3 tatuagens.
Mentira. Ainda não tenho 3 tatuagens.
  • 2 respostas correctas - Eu mesma!, Ana, Karochinha, LoUcUrAs_dOs_22, Lita, lluna nena, tanya, Marisa, Icon, Rapariga do Batom Vermelho, Krippmeister, Joaninha, ★ Aralis ★, Zanine, Martinha, Werinha.
  • 1 resposta correcta - Miepeee, Filipa, Gabriela, Bomboca, Eneida, Rita, Majo, Femme Fatale, Maria Anjos Varanda, lilipat2008, Daniela, Miguel, Peter of Pan, Crissy, Mna. Margarida, Poupinhas, inv3rso, Sonhos/pesadelos.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Fui muito bem lembrada de que havia um desafio ao qual ainda não tinha respondido - aquele da verdade e das mentiras. Claramente quem o criou não teme o inferno. Eu até gostava de fazer uma coisa simpática e colocar aqui o nome e o link das pessoas que me desafiaram para este desafio em particular, mas sinceramente não me lembro de todas, só sei que foram no mínimo 6 pessoas a desafiar-me (guardei os links mas agora dão erro - não perguntem como fiz isso, nem eu sei). Os culpados que se acusem por favor.

Vamos lá então - este é conhecido: eu escrevo 9 coisas supostamente supostamente sobre mim e só 3 delas são verdade. Vamos lá:

1. Eu nunca acampei.
2. Eu já frequentei um colégio de freiras.
3. Eu já parti um braço e uma perna.
4. Eu nunca saí de Portugal continental.
5. Antes de me licenciar em Direito frequentei o 1º ano de engenharia civil.
6. Eu nunca fui ver 3 filmes ao cinema, no mesmo dia.
7. Há mais de 8 anos que tenho o mesmo namorado.
8. Tenho mais de 50 pares de sapatos.
9. Eu tenho 3 tatuagens.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Acabadinha de chegar a casa, só queria dizer uma coisa: David Fonseca ao vivo é muiiiiito fixe. E pronto, era isto.

(tenham em conta que este post já tinha sido publicado no sábado de madrugada (aliás, é só ver os comentários) mas depois desapareceu. O Google achou que era um post com categoria de "rascunho" a meio da manhã de Sábado - idiota.)

sábado, 2 de maio de 2009

Contra-indicações do estudo

Post da Alguém:

"Há bocadinho, após a realidade se ter abatido sobre mim com o peso de toneladas, enviei este sms:

"Sabes o que é deprimente? Sabes? Sabes? Sabes? É estar a estudar e, de repente, dar por mim a dançar ao som d'As Meninas Da Ribeira Do Sado - remix, que teima em sair repetidamente das colunas de uma freguesia aqui ao lado! Ihihi"

Resposta da Salto-Alto:

"Mata-te já :p Pensa positivo, pelo menos não estás a estudar Deontologia :p"

As Meninas Da Ribeira Do Sado... Estou a bater bem no fundo."


(não permiti comentários porque este post não é meu - para comentar, ir aqui)

Bom fim-de-semana!

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Coisas que não aprenderia se não andasse de comboio

Bêbado - Eu tenho uma caçadeira lá em casa. (este é sempre um bom tópico para se iniciar uma conversa com um estranho - infalível, diz-se isto e a malta fica logo interessada)

Homem que falava com ele e que eu cheguei a pensar que era amigo dele mas foi-se a ver e era um perfeito desconhecido (para mim e para o bêbado, óbvio) - Ai é? (diz ele a rir-se) (ri-te, ri-te, olha que ele passa-se e depois quero-te ver a rir)

Bêbado - O que eu queria era matar a minha mulher.

Homem (o tal) - Ó homem, não faça uma coisa dessas!

Bêbado - Ah pois não faço. Eu até estive a conversar com 2 polícias lá da minha terra. Cheguei à beira deles e disse-lhes que queria matar a minha mulher mas que não ia matar. "E sabem porquê?", perguntei-lhes eu. E o senhor, sabe porquê?

(e agora nós tentamos adivinhar razões para o homem não matar a mulher... Ora bem... Gosta dela? Ná, muito óbvio... Não assinou um acordo pré-nupcial que lhe fosse vantajoso? Também não deve ser isto... Será católico e por isso não se quer divorciar? Ná, se fosse isso também não a mataria. Mas que raios, porque razão não quererá o homem matar a mulher?!)


Homem (o tal) - Não, não sei.

Bêbado - Olhe, os polícias também não sabiam. Mas eu disse-lhes. Eu cheguei à beira deles e disse-lhes: "Eu não mato a minha mulher porque vocês não sabem cozinhar".

(Aha! Por esta ninguém esperava!)

Homem (o tal) - (só abriu a boca, nem disse mais nada)

Bêbado - E é mesmo por isso. Então a minha mulher faz comida tão boa e eu ia comer para a cadeia, onde eles nem sabem cozinhar? Para que é que eu ia matá-la se depois ia comer mal?

(Realmente! O homem é bêbado mas não é burro!)

Bêbado - O senhor já foi à tropa?

Homem (o tal) - Já.

Bêbado - A comida lá também era uma merda. E ia eu matar a minha mulher para ir para a cadeia comer mal como na tropa? O c@r@lho! Eu até gosto dela! (e querias matá-la, imagina se não gostasses dela!)

Homem (o tal) - Pois, então é melhor não mata-la.

Bêbado - Claro que não vou matar a minha mulher, não sou burro. (burro não, só ligeiramente estúpido. Alem de que burro já é o Scolari.)

(depois de 10 minutos de conversas idiotas - algumas partes gravadas pelo Bloguótico):

Bêbado - Eu saio nesta estação, deixe passar! (o comboio pára neste momento)

Homem (o tal) - Eu deixo, vá lá!

Bêbado - O senhor é católico?

Homem (o tal) - Sou.

Bêbado - Então reze por mim. (nem adeus, nem xausinho nem nada)

Bêbado (dirige-se para a porta) - Abre-te vaca! (se ele tratar assim a mulher deve ser ela quem o quer matar a ele e não ao contrário)