segunda-feira, 30 de março de 2009

Que fôfinho!

Acho que a piada que acho às pessoas que dizem "fôfinho" é proporcionalmente inversa ao que sinto pelas pessoas que dizem "Felipa" ou, pior ainda, "Flipa" (têm o "I" a seguir ao "F", não sabem ler?!). Isto só para explicar o título.

Como os meus leitores mais antigos (nem têm que ser leitores há muito) se devem recordar, em Dezembro a minha carteira passou a pertencer ao amigo do alheio. Desde aí que ando a tratar da documentação toda. Por incrível que pareça, deixei para último os cartões de crédito. Óbvio que os cancelei mal soube do incidente, mas só agora fui tratar dos novos cartões.

Como mulher que se preze, não ia andar 3 meses sem cartão de crédito. Por isso o Sr. Dr. Meu Gajo, emprestou-me o dele. Foi um fôfinho! (é nesta altura que as pessoas que dizem "fôfinho" se devem aperceber que é "fofinho" que se diz, assim como se escreve, e não "fôfinho")

Isto prova várias coisas:

a) que o meu gajo é um homem em condições;
b) que não tem juízo na cabeça porque emprestou o seu cartão de crédito a uma mulher;
c) que emprestou o seu cartão de crédito a uma mulher em plena época de saldos;
d) que emprestou o seu cartão de crédito a uma mulher que é viciada em sapatos e bolsas.

Pois, mas ele emprestou. Acho que é das maiores provas de amor que um homem pode prestar à sua queriducha (maior prova de amor e de risco, acho que nem as seguradoras correm tanto risco).

Claro que agora que penso nisto já percebo porque é que o ritmo cardíaco dele acelerava quando eu passava em frente à Parfois e porque é que me parecia que ele reprimia lágrimas quando eu parava para ver a montra das sapatarias....

sexta-feira, 27 de março de 2009

O Cowboy e o Ninja Júnior - parte #2

Não, não é um mau argumento para um filme porno, podem tirar daí a ideia, sim? Depravados...

Eu sou a filha mais velha dos meus pais. Quatro anos depois do início da minha existência, nasce a minha irmã. E a descendência ficou por aí. Eu e a minha irmã. Nenhum menino (nenhum "pilas" como eu costumo dizer").

O meu pai sempre nos garantiu que estava muito contente por ter tido 2 filhas mas a mim nunca me convenceu. Isto porque passava todos os Domingos a tentar ensinar-nos a jogar futebol, vólei e basket e os presentes que comprava (sem a supervisão feminina da minha mãe) eram bolas e carros. Subtil, hã?

(não, não é um dejá vu, é mesmo a continuação do post anterior, com a mesma introdução)

Resumindo: não tive nenhum irmão. Até que conheci o "Ninja Júnior"(assim baptizado pela Filipa). O Ninja Júnior, tal como o nome indica, é irmão do Ninja. Eu e o Ninja já nos conhecemos há alguns anos e foi através dele que eu conheci e me tornei próxima do Ninja Júnior. Ele tem menos 4 anos que eu e é o meu "mano mais novo". E faz questão de se comportar mesmo como o típico irmão mais novo. E eu retribuo. E então temos isto:

- ele faz questão de dizer badalhoquices sexuais, que geralmente começam por dizer-me inocentes nomes que se atribuem à genitália masculina e feminina, até escalar para badalhoquices e termos que fazem corar o Zézé Camarinha;

- eu faço questão de ir ao computador dele, sempre que ele está distraído, e colocar como wallpaper uma imagem dos Ursinhos Carinhosos, da Kitty, da Barbie ou do Pequeno Pónei;

- enojar-me às refeições é o seu passatempo favorito e recorre a vários meios, sempre diferentes e inovadores até fazer o vómito assomar-me à garganta;

- eu gosto particularmente de ir para a beira dele quando ele está a trabalhar no computador e falar sem parar até ele se desconcentrar e mandar um berro. Depois sorrio e ele perde a coragem de me gritar;

- se ele me vê a ler ou a comentar blogues pára de imediato o que está a fazer, senta-se à minha beira e começa a gozar comigo, dizendo que eu vivo num mundo virtual e que eu e as pessoas dos blogues formamos um clã que vive isolado da vida real e preso ao mundo dos blogues - e a seguir vai ler o meu blogue;

- eu gozo quando ele joga jogos de computador online, dizendo que ele vive num mundo virtual e que ele e as pessoas do jogo formam um clã que vive isolado da vida real e preso ao mundo dos jogos - e a seguir volto aos blogues;

- eu pergunto-lhe porque é que ele tem um aninal morto debaixo do nariz a tentar fazer-se passar por bigode;

- ele faz questão de me pegar na mão e passá-la no bigode dele quando ele não o cortou, só para me ouvir dizer "que nojo" e reclamar com ele, enquanto ele se ri;

- eu faço questão de dizer que os cereais que ele mistura com iogurtes naturais parecem vermes e que fedem;

- ele faz questão de os vir comer para a minha beira, "inocentemente", só para eu reclamar.

Eu poderia continuar nisto por aqui abaixo, mas acho que já fui bem clara. Ele é assim e eu adoro-o. É o mano mais novo que eu nunca tive e ele nunca pode saber que eu disse isto dele. Para todos os efeitos somos arqui-inimigos para a vida.

terça-feira, 24 de março de 2009

(na sequência do post anterior)

(Joaninha, como te prometi: aqui estão fotos com as asneirentas cá do sítio - são do meu gajo, eu ainda estou à espera do meu Labrador - sim, com "b", sempre com "b"! ;p) E nenhuma das cadelas é o "Mordak", esse não vem para já! :)


(Filipa - repara no emblema de L.A. na capa do meu traje! ;p)

Na blogosfera há pessoas absolutamente fantásticas e uma delas é a querida
O sonho da Salto

A Salto alto, está um pouco triste porque desde dos 5 anos de idade sonha em ter um Labrador e após ter visto o filme Marley & Me , ainda ficou pior.
Olha amiga, apenas posso desejar que esta foto se transforme em realidade.

Meninos maus!

Quer dizer, anda uma gaja a sonhar desde os 5 anos em ter um Labrador e depois fazem este filme?!

Não se faz.

E sim, eu já vi o filme. :)

(tem lacinho e tudo, mesmo como eu queria o meu!)

(ainda por cima ele é maroto mas não rói sapatos! Maus!)

(pronto, afinal rói sapatos (os sacanas tentaram esconder isso no filme!) mas é fofo na mesma. E eu guardo os meus sapatos em caixas, portanto, também não é por aí que não posso ter um). Obrigada *B* por teres descoberto a capa do filme com o sapatinho - e vermelho, ainda por cima! ;p

(vou adicionando notinhas de protesto entre parêntesis conforme me lembre de mais coisas no filme que me façam odiar os senhores que o fizeram e o senhor que escreveu o livro)

segunda-feira, 23 de março de 2009

Obrigada Miepeee (2 vezes), Margarida,


Marisa e Skywalker!

sexta-feira, 20 de março de 2009

O Cowboy e o Ninja Júnior - parte #1

Não, não é um mau argumento para um filme porno, podem tirar daí a ideia, sim? Depravados...

Eu sou a filha mais velha dos meus pais. Quatro anos depois do início da minha existência, nasce a minha irmã. E a descendência ficou por aí. Eu e a minha irmã. Nenhum menino (nenhum "pilas" como eu costumo dizer").

O meu pai sempre nos garantiu que estava muito contente por ter tido 2 filhas mas a mim nunca me convenceu. Isto porque passava todos os Domingos a tentar ensinar-nos a jogar futebol, vólei e basket e os presentes que comprava (sem a supervisão feminina da minha mãe) eram bolas e carros. Subtil, hã?

O ano passado adquiri um "mano": o Bloguótico.

E como nos tornamos "manos"? Não foi por nascimento e foi num café. Estranho? Muito. Mas divertido, claro está.

Eu explico: estavamos nós a tomar o pequeno-almoço no café antes de irmos para praia (foi nos bons tempos de verão, mais precisamente no dia 4 de Setembro de 2008) quando uma senhora entra no café e começa a impingir-me roupa que vendia (e trazia consigo). Depois de 5 minutos a dizer que não, que muito obrigada mas que eu não queria nenhuma peça que ela tinha, eis que o Bloguótico, qual Cowboy que salva a sua donzela, põe termo ao meu sofrimento. Vira-se para a senhora e diz:

- "É melhor não mostrar mais nada porque esta minha irmã é uma esquisita, a minha mãe bem quer que ela ande bem vestida, mas ela é uma esquisitinha e não quer nada, prefere andar parola. É melhor desistir."

A senhora olha para mim, incrédula, arruma as coisas, manda o "Bom dia!" ao resto do pessoal a sai a correr. E a partir daí, somos "os manos". E ele é, pura e simplesmente, das pessoas mais fantásticas que eu já conheci. E das mais malucas e divertidas e o melhor é que posso participar nas maluqueiras dele e acabar sempre o dia com um sorriso. E eu adoro-o como ele é.


(a explicação do "Cowboy" não acaba aqui, mas é algo que ele explica no seu blogue, e só o revelei porque sei que vai ser hoje matéria de post no blogue dele - aqui)

(a saga continua no próximo post)

quarta-feira, 18 de março de 2009

Um obrigada muito muito muito muito muito especial a vocês que desactivaram as letras de verificação nos vossos comentários! Dá um jeito do caraças! Principalmente quando se tinha os comentários em atraso, como era o meu caso! :)

segunda-feira, 16 de março de 2009

Sanita vs. Banheira

Toda a gente sabe que o local de predilecção masculina para meditar é a retrete. Julgo que nem seja por escolha própria, acho mesmo que os homens não conseguem evitar: sentam-se na sanita e começam logo a ter epifanias - que ou são de uma genialidade tremenda ou são uma valente bosta.

"Mas, e as mulheres?", perguntam vocês. Pois. E as mulheres?

A minha primeira resposta seria: "Ora, as mulheres não precisam de um sítio especial para terem epifanias! Temos acessos de inteligência acima do normal em qualquer lado e em qualquer altura do dia!". Além disso, como seres belos e delicados que somos, recusamo-nos veemente a ter epifanias na retrete. Que coisa sem classe!

Estes eram os pensamentos que me ocupavam a cabeça enquanto eu tomava banho! E foi aí que reparei: é no banho que nós, mulheres, pensamos no que vamos vestir e calçar no dia seguinte, no que temos ainda que fazer, naquele gajo bom que hoje apareceu lá no escritório, na bolsa que vimos na montra e em que altura do dia seguinte lá podemos passar para a comprar, etc etc etc.

Por isso concluo: se os homens não perdessem tempo útil no banho para pensar nestas coisas em vez de gastarem todo o tempo com a espuma do shampoo no cabelo e a fingir que são o Elvis, não precisavam de ter epifanias na sanita

sábado, 14 de março de 2009

Não resisto, que se vai fazer?

Confesso que sou uma fraca, que não aguento uma semana inteira (nem metade) sem ir aos vossos cantinhos, ver o que vocês têm a dizer. E foi assim esta semana, no interregno mais longo sem publicar nada neste cantinho. Li tudo o que vocês publicaram, sem no entanto comentar. Isso fica para hoje e para amanhã.

Não tenho nada interessante para postar. Fiquei a saber esta semana, entre outras coisas:

-> que é suposto os advogados serem os "James Bonds" do fisco, devemos saber escapulir-nos e ajudar aqueles que não pagam às finanças - lata do caraças;

-> que o horóscopo é subjectivo - nas palavras do Kal, "Não vês que ele é Aquário e hoje é Segunda-feira, logo, ele não diz coisa com coisa?";

-> que dizer mal do Rambo no blogue é causa para os homens, todos os dias, pensarem numa coisa fixe acerca do Stallone e ma virem dizer - como se eu quisesse saber, ele não é fixe e pronto;

-> que para algumas pessoas, familiares traficarem diamantes é errado, que só os apoiariam se se tratasse de tráfico de vinho do porto ou de tabaco;

-> que beber Ice-Tea e comer Kit Kat em plena audiência de julgamento é positivo e ajuda a aniquilar as testemunhas;

-> que é possível ir comprar roupa e acabar-se por vender a roupa que se ia comprar;

-> que há maneiras bem mais giras de falar, como dizer "côde rosa" em vez de cor-de-rosa; "bola de belim" em vez de "bola de Berlim"; "cócóla" em vez de "coca-cola", "gáda-redes" em vez de "guarda-redes", "cá fixe" em vez de "que fixe" e por aí em diante.

Foi uma semana produtiva e, mais uma vez, muito cansativa. É que eu não estava cansada o suficiente com a formação, o escritório e o estudo, tinha que me lembrar de ir a 2 conferências...

Tenho ainda desafios para fazer, ficam para amanhã, ok? Se alguém me desafiou e eu ainda não respondi que me lembre por favor e desculpem, mas ultimamente não me consigo mesmo lembrar de tudo o que tenho para fazer!

segunda-feira, 9 de março de 2009

A verdade é esta

A verdade é que desde segunda-feira que tenho andado ocupadíssima. Entre horas no comboio, na formação, no escritório, no dentista e o necessário para a minha higiene e alimentação, fico com escassas horas para dormir.

O único tempo livre que tive esta semana foi a hora do café habitual à Sexta e as noites de sexta e de sábado que, por eu estar cansadíssima, se resumiram a um óptimo serão com amigos, na Sexta-feira (serão esse que se prolongou pela noite dentro) e um Sábado até às tantas, encolhida no sofá com a companhia mais querida, a conversar e a ver tv. Foi espectacular e divertido, claro, mas não me satisfaz. Primeiro porque sinto que estou a reprimir a energia que tenho a mais e segundo porque estou tão cansada que nem aproveito a 100% e mesmo quando descanso fico a pensar no que tenho que fazer.

O que me faz pensar no que aconteceu há umas semanas atrás (para ser sincera nem me lembro bem quando foi).

O Porque Sim! ia fechar. O último post ia ser publicado no dia de Carnaval, dia 24. A data foi escolhida por 2 motivos: primeiro porque o blogue ia passar na rádio e assim teria um final em grande e segundo porque eu tinha prometido a publicação das fotos de carnaval e por isso o blogue não podia terminar antes disso.

O Porque Sim! ia terminar com novas publicações porque eu andava (e ando) atarefadíssima. Porque já não tinha tempo para publicar os meus posts, posts com a minha essência e não uns meros "ai, está sol" ou só respostas a desafios ou apenas fotos. E era o que estava a acontecer. E isso não sou eu, não é a minha escrita nem o meu registo e por isso o meu blogue já não parecia meu. Deixei de ter tempo não só para publicar como para comentar nos vossos blogues e para responder aos comentários que vocês deixam no meu. E isso era das coisas que eu mais apreciava - o vosso feedback e os pequenos diálogos que se formavam a partir de um simples comentário.

Mas um dia antes de o blogue dar um programa de rádio houve um sujeitinho que me roubou o blogue. E quando se soube, houve uma quantidade imensa de gente (vocês sabem quem são e eu não me esqueço de vocês nem do que fizeram por mim) que me contactou pelas mais variadas formas, que se disponibilizou, que me dirigiu palavras de apoio e carinho. E eu vi que afinal até havia muita gente que gostava do Porque Sim! e de mim, ou pelo menos daquilo que eu vos mostro pelos meus posts e pelos meus comentários. (sei que sou gaja de poucas palavras e que os meus comentários são, em 90% dos casos, curtos, mas eu sou mesmo assim, concisa e directa, espero que não levem a mal)

E foi assim que o Porque Sim! sobreviveu ao homicídio planeado pela sua autora. O Porque Sim! continua graças a vós.

E por isso, o meu mais sincero obrigada. Obrigada por virem aqui mesmo quando eu não publico nada, por virem aqui e comentarem, mesmo que eu não tenha podido deixar um comentário no vosso espaço. Por me terem apoiado. Por terem paciência nesta época em que o blogue não está tão activo. Obrigada por gostarem de ler o que eu escrevo.

Salto-Alto

(ontem ainda consegui ir a alguns dos vossos blogues, espero hoje conseguir acabar de ir a todos!)

sábado, 7 de março de 2009

Com tanto para fazer, algo ia esquecer...

Infelizmente tenho andado muitíssimo ocupada e não tenho podido visitar aos vossos blogues nem responder aos vossos comentários nos meus posts. Vou tratar disso amanhã.

Peço a quem me atribuiu prémios (tenho 2 apontados mas esqueci-me de apontar quem mos atribuiu) e a quem me passou desafios que me relembre dos mesmos neste formulário de comentários. Peço desculpa por não ter tomado nota nem dos prémios nem dos desafios, mas esta semana não foi nada fácil. Sei que deixei nos vossos blogues o agradecimento, mas como já referi, não apontei.

Obrigada pela vossa compreensão e pelos comentários que têm deixado nos meus posts. Embora não tenha podido responder nem retribuir nos vossos cantinhos, não significa que não os tenha lido e apreciado.

Obrigada e bom fim-de-semana!

sexta-feira, 6 de março de 2009

Mentalizem-se

Sei que devo um pedido de desculpas à comunidade masculina pelo post anterior. Não pelo teor do post em si mas pelo modelo que escolhi para comparação.

Sei que todos os homens estão revoltados por eu não ter escolhido o Stallone (e ter escolhido o Gerard Buttler), mas mentalizem-se:

-> o Stallone nunca foi bonito (aquela boca torta nunca me convenceu);

-> não, não faz dele "um fixe" o facto de ter protagonizado num filme pornográfico;

-> não, nós mulheres não queremos ver o filme pornográfico em que ele entra (literalmente!), muito menos depois de o vermos em versão "old guy";

-> o Stallone nunca foi bom actor (não me interessa quantas vezes já viram o Rambo e a cena em que ele chora porque não serve para nada - ó Stallone, quão certo estavas - ou porque não arranja trabalho depois da guerra ou lá o drama que o valha: o meu cão Bolinhas fazia melhor de antigo combatente que o Stallone);

-> o Stallone não é "o maior" só porque é velho e ainda faz filmes do Rambo - nem sequer é sempre ele a fazer de "John Rambo" - aliás, nem o Stallone deve querer fazer de Stallone na vida real;

-> ser um saco de músculos que ameaça provar a "teoria do big bang" a qualquer momento rebentar para cima de nós não é a ideia de homem sexy em lado nenhum;

-> até prova em contrário, o Stallone foi raptado por aliens e foi cobaia humana para disfarces e máscaras de Halloween alienígenas.

Perceberam?

quinta-feira, 5 de março de 2009

Príncipes? Já eram!

Foi em conversa com um amigo meu (Kal, estás cá dentro! ;p) que depressa formulei uma teoria. E é 100% infalível, diga-se de passagem. Estávamos os 2 a armar-nos em casamenteiros, quando de repente, em plena rua, eu dou um berro e exclamo: "Bom bom é namorar com um trolha!" (note-se que eu não uso a expressão "trolha" com qualquer sentido depreciativo).

Eu podia dizer "ajudante de construção civil" ou lá como se chama, mas "trolha" é mais pequeno, mais conciso e é o que eu quero usar.


Passo a explicar o porquê da minha conclusão:

1. Os trolhas são homens que passam o dia a trabalhar no duro (e isto não é uma alusão a nenhuma actividade sexual - pelo menos para já). Logo, são homens que, por força do trabalho (e excluindo-se os casos em que é visível a barriguinha da cerveja) têm um corpo trabalhado, certo? E gaja que é gaja não gosta de um homem lingrinhas (ao menos, a ter pouco, que seja bom).

2. Os trolhas são homens que nos assobiam na rua. Claro está que aquelas boquinhas foleirotas e que são as mesmas desde 1920 é que eram escusadas, mas pronto, vamos assumir que a intenção é que conta. Ora, estas bocas que eles mandam a qualquer mulher que passa é um claro sinal de carência afectiva (ou amoroso-sexual, também dá!). Logo, os trolhas são homens carentes e com muito amor e piropos para dar.

3. Uma das funções dos trolhas é carregar baldes de tijolos. E não só. Os trolhas são homens habituados a carregar peso. O que é ideal para nós mulheres, porque ganhamos por comparação (também, estamos a competir com tijolos, argamassa e afins, era mesmo muito mau perder). Nem que aumentemos de peso, seremos uma autências plumas comparadas com um balde a abarrotar de pedras. Ou comparadas com uma derrocada de tijolos, depende dos casos. Ora, os trolhas acham-nos lindas e leves.

4. Os trolhas são moços jeitosos para se ter por perto - afinal, nunca se sabe quando é preciso estucar o muro, pendurar um quadro, montar prateleiras ou mobílias, etc etc. É sempre uma mais valia ter um trolha lá por casa.

5. E agora, o benefício mais óbvio: que gaja não gosta de andar a passear pela sua casa, olhar para a cozinha, e ver um homem musculado, só de calças de ganga, com abdominais de meter inveja ao Gerard Buttler, a consertar electrodomésticos? ........................... Ou melhor, que gaja não gosta de andar a passear pela sua casa, olhar para a cozinha, e ver um homema consertar electrodomésticos? Pois, todas nós! Porque os "handymen" musculados são sempre o sonho de qualquer mulher. Já não queremos príncipes, já nos contentamos com uma boa cabecinha num bom corpinho e uma chave de fendas na mão!

quarta-feira, 4 de março de 2009

Adenda ao post anterior:

caros amigos, que não haja confusão. Quando eu vos pedi ajuda no post anterior era para me ajudarem a mim, logo, era para dizerem que "Mordak, Senhor da Fúria Ímpia" (nome completo do cão), não é uma boa escolha para se chamar a um animal de estimação. E usar o argumento "ele tem uma katana" não vale. Eu também tenho seios e não ando a influenciar os comentadores masculinos! Perceberam?


(obviamente estou a brincar, cada um tem direito à sua opinião - e o nome até é engraçado, vá.)

terça-feira, 3 de março de 2009

Err.. Uma ajudinha por favor!


Será que alguém podia ajudar-me a explicar a este menino que "Mordak, Senhor da Fúria Ímpia" não é um bom nome para um animal de estimação?

Anyone
?

segunda-feira, 2 de março de 2009

Comentar blogues de madrugada e sem tomar café é o que dá

Ando tão atrasada nas visitas e nos comentários aos vossos cantinhos que hoje, como acordei mais cedo e fui mais rápida que o costume no banho, decidi comentar uns blogues antes de sair.

Ligo o computador, vou à cozinha buscar um iogurte líquido e torradas e sento-me frente ao computador. Visito um blogue. Visito outro. Abro o iogurte líquido (que é dos novos e tem aquelas tampinhas de segurança com um pequeno manípulo que se tem que puxar para rasgar o plástico em espiral) e limpo algumas pingas que vi saltar da embalagem.

Olho para o monitor e vejo um blogue de uma comentadora nova. "Que blogue tão giro!"- penso eu. "Que fundo giro, tem umas bolinhas mesmo giras!" (já se está mesmo a ver onde isto vai dar). Li o último post que ela publicou. Clico para aceder ao formulário de comentários. As bolinhas continuam lá. E eu, feita pessoa muito inteligente, ainda penso: "Ah, como é que ela fez para mudar o visual da página dos comentários? Tenho que ver isto!".

Vergonhosamente, levou-me mais de 2 minutos a perceber que não se tratava de nenhum fundo novo, mas sim de pingas de iogurte líquido no ecrã do computador...

Moral da história: Nunca em blogue alheio comentar se o café matinal não foste tomar.

domingo, 1 de março de 2009

Ah pois!

Eu vi logo que não era boa ideia os senhores engenheiros do blogger medirem forças comigo. Pois que bastou uma pequena ameaça e depressa me devolveram os blogues que eu andava a seguir. O respeitinho é muito bonito!

(para futuras informações, minha gente, lembrem-se que eu uso saltos altos e que aquele tacão fininho dói muito nos sítios certos e que, além disso, adquiri para o Carnaval uma pistola, uma espada e uma faca e gostei de dar uso àquelas tretas, não me obriguem a comprar a versão verdadeira das mesmas porque o que eu mais tenho é stress acumulado).


Peço àqueles cujo blogue eu estava a seguir para me informarem se eu já não os estou a seguir. Isto porque eu não confio no blogger, eles dizem que me devolveram tudo, mas eu sei lá. Amigos amigos, seguidores à parte.

Bom domingo a todos!